Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Hall Paxis

Integrada na rede nacional Hall, esta imobiliária atua em todo o distrito de Beja.

Hall Paxis

Integrada na rede nacional Hall, esta imobiliária atua em todo o distrito de Beja.

Entrevista a Jerónimo Jarmelo

JJ.jpg

 

Jerónimo Jarmelo, (pseudónimo de Jerónimo Pereira Santos) , segundo classificado na categoria Poesia na 1ª Edição do Prémio Literário "Do Mosto à Palavra", nasceu em Castanheira do Jarmelo – Guarda/Portugal. Fez o ensino secundário nos seminários do Fundão e Guarda, frequentou a Faculdade de Letras de Lisboa, área de clássico-românicas e teve uma curta experiência como professor, no ensino secundário. Deixou o ensino e ingressou na Banca, onde exerceu cargos superiores. Reformado, é professor nas Universidades Seniores: UNISSEIXAL – Univ. Sén. do Seixal e UNICA - Univ. Interg. Conc. Almada.

É membro efectivo da APE – Assoc. Portuguesa de Escritores. Da sua autoria destacam-se as seguintes Obras:

“AS NINFAS DO ÍNDICO” - Romance  (Chiado Editora) ; “FILHO DE NINGUÉM”- Romance (Chiado Editora); “INQUIETUDES”- Poemas   (Chiado Editora); “EU VOU SER COMO A SERPENTE”- Romance (Edições Vieira da Silva).
A aguardar publicação: 3 Romances e 1 Livro de Contos



1 - Sendo o vinho, por excelência, um promotor da criatividade, viu com bons olhos a sua associação a um Prémio Literário?

Se a poesia é uma forma de arte por excelência, tal como o é a criação de um bom vinho, por que não associar as duas? Não vejo qualquer incompatibilidade, bem pelo contrário.

 

2- O que é que mais te atrai no teu processo criativo, o mundo sonhado e utopias, o mundo real ou ambos?

 Além de poeta, considero-me, acima de tudo, um romancista. Já disse, numa entrevista a um jornal, que para mim, o “Romance mais não é do que a realidade ampliada”. Assim sendo, nos que já publiquei e nos que estão prontos para tal, incorporo três realidades: um ou mais factos reais como génese da história, factos verosímeis e factos ficcionados. Compete ao leitor intuir qual dos episódios se situa em cada uma destas vertentes. Os meus poemas situam-se mesmamente nestas três vertentes, salvas as devidas distâncias, tudo dependendo da inspiração, no momento da sua criação.

 

3- Na categoria poesia, na qual se destacou como segundo classificado, qual a importância que atribui a um Prémio Literário? Em que medida, iniciativas do género, poderão coadjuvar na divulgação deste género literário junto dos seus apreciadores?

Muita gente (não apenas os políticos) usa a poesia para impressionar alguém, mas raramente compra um livro de poemas. Agustina Bessa Luís (excelente romancista de quem não se conhece obra poética) escreve, com ironia, no romance O princípio da incerteza: “A poesia serve mais os amantes do que a cultura. Não se vende mas decora-se melhor. Isso é bom para seduzir as mulheres”. São palavras, dela das quais discordo em absoluto. Todos os eventos, a começar pelos Prémios Literários, que contribuam para a divulgação da poesia e da prosa são muito bem-vindos.

 

4- Consideras que os meios de divulgação digitais são um suporte importante para a divulgação do que muito se escreve em Portugal actualmente?

Sou daqueles que acreditam que nada pode substituir o contacto físico com o livro impresso. Porém, as novas tecnologias são uma excelente ferramenta para a divulgação da cultura em geral; quiçá, potenciadoras de levar mais leitores a adquirirem livros – em papel ou digitais.

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D