Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Hall Paxis

Integrada na rede nacional Hall, esta imobiliária atua em todo o distrito de Beja.

Hall Paxis

Integrada na rede nacional Hall, esta imobiliária atua em todo o distrito de Beja.

Xistos são momentos e experiências únicas!

AFE_003.jpg

27 de setembro é o Dia Mundial do Turismo. O Alentejo é agora uma região que começa a captar o interesse de turistas de todo o mundo, ao mesmo tempo que vê o mercado nacional a interessar-se pela tranquilidade das paisagens a perder de vista e pela capacidade de bem acolher os forasteiros, que tão bem caracteriza o povo desta região.

Neste Dia Mundial do Turismo fomos conversar com Paula Mira, arquiteta de profissão e uma das maiores impulsionadoras do agroturismo Xistos que abriu portas em março passado e que fica localizado em plena Herdade Monte da Ponte (há mais de um século na família), junto à Ribeira de Terges e Cobres, a vinte quilómetros de Beja e a trinta quilómetros de Mértola.

Embora muito recente, o projeto já recebeu o galardão internacional Green Key. O turismo rural Xistos é um sítio que nos obriga a desligar do reboliço da cidade e a valorizar um arrepiante por do sol que ao longe namora com as searas!

Nos Xistos a nossa sensibilidade é posta à prova perante uma natureza desarmante!

Aliada às paisagens e a uma verdadeira incursão pela biosfera, “os amigos dos Xistos” – forma carinhosa de tratar os clientes - têm ainda à sua espera Paula Mira, uma mulher apaixonada pela terra que a viu crescer. Uma paixão que quer agora dividir com todos! Xistos são vida! Xistos são momentos!

 

Este projeto de turismo rural está a celebrar o seu primeiro aniversário. Fale-nos sobre a história deste espaço e sobre esta vontade de transformar um sítio predominantemente vocacionado para a agricultura e pecuária, num espaço turístico em meio rural…

Ao olhar para este território compreendi que ele poderia ser um destino turístico. Estamos num território entre Beja e Mértola, onde o montado de azinho é bastante presente e onde o pastoreio em extensivo é uma marca que a minha família sempre trabalhou, sobretudo o meu pai, que sempre foi produtor de carne alentejana. O meu pai foi um acérrimo defensor das espécies autóctones e educou-me nesse sentido, no sentido de acreditar nas potencialidades do território.

Esta herdade está na vossa família há quantas gerações?

Há quase cem anos. O projeto de agro turismo dos Xistos só existe porque temos esta natureza envolvente! Estou a referir-me à paisagem, ao bosque e à ribeira de Terges e Cobres. A minha ideia inicial prende-se com a necessidade de partilhar com o mundo esta beleza natural, o que só foi possível concretizar através da abertura deste espaço de turismo rural.

A Paula Mira é arquiteta de formação. Pode falar-nos sobre a solução desenhada para o projeto dos Xistos?

Pretendi que a arquitetura fosse insignificante perante a natureza que nos rodeia. Compreendemos facilmente que existem três paredes brancas mais altas que rodeiam o telhado e a utilização de telhas, num profundo abraço simbólico ao Alentejo. Além disso existe uma parede em xisto bastante notória, quando se entra, e que liga a casinha de telhado tradicional a um outro bloco de laje direita que representa o modernismo. Podemos sempre ser felizes se conjugarmos a tradição e a atualidade. O mesmo acontece com a decoração, marcada pela existência de objetos de família muito antigos e que ficaram guardados em baús. Estou a referir-me, por exemplo, a estra tropeça onde era feita a matança do porco, das peneiras, da queijeira, da mesinha de cabeceira da Tia Aninhas, do baú que ia a caminho do Algarve nas férias no carro de mulas, entre muitos outros objetos recuperados que convivem com outros tantos adquiridos em lojas modernas e que surgem contextualizados no espaço.

Qual é a capacidade de alojamento?

Quando estamos lotados podemos chegar às 18 pessoas.

Começaram a receber os primeiros hóspedes em março passado. Qual é o perfil dos turistas que vos visitam?

Este espaço físico não é nenhum hotel, é a casa de campo de quem nos visita! São os nossos amigos, os amigos dos Xistos!

E as pessoas de Beja conhecem os Xistos?

Esse é um dos nossos grandes desafios, cativar os turistas de Beja. São tão acarinhados comos os que chegam de longe, pois este é um espaço para todos! O turista de cá não precisa de dormir para poder usufruir do passeio, do céu, do bosque…

Quando os clientes (ou os amigos dos Xistos) aqui chegam, é fácil pedir-lhes para desligarem o botão que os ligam ao reboliço da cidade para os conectar com as maravilhas da paisagem?

Normalmente é instantâneo. Quando chegam ao final da tarde, mesmo antes de me apresentar, peço-lhes para que larguem as malas e que venham assistir ao magnífico por do sol. A seguir são eles que me perguntam qual é a próxima experiência transcendental (risos).

Os Xistos oferecem a quem visita experiências de turismo de natureza difíceis de repetir noutros locais. O bosque é um espaço imperdível…

O bosque é um espaço genuíno, numa zona onde não há agricultura. Há ali uma espécie de micro clima especial, onde é agradável estar mesmo com temperaturas acima dos 40 graus. Levamos um chá fresco, histórias para partilhar e podemos ficar apenas a contemplar a natureza. O bosque é uma das nossas moletas para assegurar a atividade ao longo de todo o ano. Dependendo da época em que estamos é possível realizar a apanha da murta (planta aromática de médio porte), visualizar e identificar cogumelos, apanhar sementes na primavera ou ouvir os pássaros de inverno…

As famílias também gostam de calçar as botas de borracha e ir plantar espécies. Xistos é a vida. Xistos são momentos e experiências!

A herdade é atravessada pela ribeira de Terges e Cobres, também ela com um enorme potencial para o turismo de natureza. O que está a ser feito nesta área?

Xistos oferece biodiversidade. Aqui há uma biodiversidade muito grande, tanto ao nível de animais selvagens, insetos, repteis, plantas, fungos, estrelas, céu e por aí fora… Estamos a ser confrontados com a necessidade de trabalhar estas novas ofertas, mas será para toda a gente e não apenas para o turista dinamarquês que paga o alojamento!

Que outras experiências oferecem a quem vos visita?

A nossa ideia passa por alavancar outras empresas com atividades distintas e que ajudem a criar momentos em turismo de em espaço rural. Neste clima de parcerias, disponibilizados momentos de turismo em espaço rural, aulas de yoga, BTT, passeios de balão, workshops de mantas alentejanas, disponibilizamos gastronomia, existindo também a possibilidade de serem feitas massagens com óleos essenciais. Mas também proporcionamos workshops de germinação e estacaria, onde ensinamos a apanhar a semente, a fazê-la germinar e depois como fazer a estacaria.

Mal abrimos as nossas portas fomos distinguidos com o galardão Green Key que visa premiar as boas práticas ambientais, capazes de reduzir os impactos negativos do turismo e os custos com o consumo de recursos naturais. Este galardão surge devido à nossa vontade em adotar práticas que ajudem a reduzir os consumos de energia, mas também por todo o respeito que temos pela natureza.

AFE_004.jpg

AFE_014.jpg

AFE_012.jpg

AFE_019.jpg

AFE_021.jpg

AFE_025.jpg

 

net 11.jpg

net 1.jpg

net 2.jpg

net 3.jpg

Localização e contactos do agroturismo Xistos:

Herdade Monte da Ponte, EN 122 – Km 18 Trindade, Beja, Alentejo, PORTUGAL

Telefone: 284 010 202

Telemóveis: 964 814 928 | 967 303 320

Coordenadas GPS: 37.85378, -7.8584

 

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D